Uveítes são doenças oculares onde ocorre inflamação de um segmento do olho chamado úvea. A úvea é formada por 3 estruturas básicas: íris (que da cor aos olhos), corpo ciliar e coróide. São doenças oculares potencialmente graves, que se não tratadas adequadamente, podem levar à Baixa Acuidade Visual permanente, às vezes de modo irreversível.

Ocorrem em qualquer fase da vida (às vezes, até mesmo na forma congênita). Podem ter causas infecciosas e não-infecciosas. Entre as causas infecciosas, no Brasil (principalmente na região Sul), a mais comum é a Toxoplasmose. Essa infecção ocorre por ingestão de fezes de animais contaminados (geralmente felinos), e principalmente de alimentos mal-lavados ou carnes mal-cozidas. Evitar isso é uma das melhores formas de prevenção. As uveítes não-infecciosas podem ou não estar associadas a outras doenças sistêmicas (principalmente reumatológicas) como por exemplo Artrite Reumatóide. Por isso é importante que todos os pacientes com esse tipo de doença façam acompanhamento oftalmológico periódico.

A Inflamação de cada um desses segmentos (ou de todos juntos) pode apresentar sinais e sintomas específicos: Baixa Acuidade Visual, dor, fotofobia (irritação com claridade), lacrimejamento, olhos vermelhos, visão de “moscas volantes”, perda de campo visual, visão distorcida e ocorrer em apenas um ou em ambos olhos. E não necessariamente, todos os sintomas ao mesmo tempo.

Cada tipo de uveíte necessita de um tratamento específico. O tratamento de forma incorreta ou incompleta, ou ainda, a demora no início da terapia adequada pode piorar ainda mais o quadro da doença. Por isso é importante que evitar auto-medicação; no aparecimento de qualquer sintoma de uveíte deve-se procurar o quanto antes um médico-oftalmologista